08 maio 2008

Eisenbahn Vendida

Hoje, às 14h30m, participei de uma áudio conferencia, onde o Grupo Schincariol anunciou a compra da microcervejaria blumenauense Eisenbahn. O anuncio foi feito por José Augusto Schincariol, membro do Conselho de Administração, Fernando Terni, Presidente-Executivo, Robin Castello, Diretor Jurídico e de Relações Institucionais, e Marcel Sacco, Diretor de Marketing e Trademarketing, todos da Schincariol e por Juliano e Bruno Mendes, da Eisenbahn.

O valor do negócio não foi divulgado.

19 comentários:

Sergio Fraga disse...

Vou ficar na torcida para que o contrato não impeça a família Mendes de abrir uma nova cervejaria... A qualidade que eles trouxeram para o Brasil não pode ser esquecida.

Russ0 disse...

Espero que não mexam na qualidade, seja apenas um negócio de visão de mercado, se não.........

Lucas disse...

Era o que eu mais temia desde que tomei minha primeira Eisenbahn, uma Pale Ale...

A Baden Baden depois de comprada pela Schin, não melhorou a qualidade, os preços na minha cidade aumentaram e a distribuição pelo brasil regrediu muito.

Vamos ficar na torcida, é unica coisa que podemos fazer...

abraços...

Leonardo Sewald Cunha disse...

Lembro de ter lido uma entrevista com o pai do Juliano sobre uma possível venda da Eisenbahn para uma grande cervejaria, meses atrás.

Quando questionado sobre o assunto, ele prontamente respondeu: "não está à venda."
O entrevistador insistiu: "mas e se fosse feita uma oferta irrecusável?"
Ponderando, ele respondeu o seguinte: "sem problemas, vendemos a Eisenbahn e abrimos outra cervejaria!".

Meio caminho andado. Faço votos de que o que ele disse se realize no futuro.

abraços,
Sewald

Marcos disse...

Nas Baden-Baden começaram a aparecer estabilizantes e corantes após a aquisição. Espero que isso não ocorra na Eisenbahn.

Mais um na torcida pela manutenção da qualidade.

Luiz Eduardo de Carvalho Silva disse...

Torçamos pelo melhor... mas acho bom esquecermos, por um bom tempo, novas Eisenbahn! Até agora não vi nenhuma nova Baden Baden! Imaginem se a Schin (ou outra grande) tivesse comprado a Eisenbahn há 2 anos... será que teríamos Lust, Strong Golden Ale, Rauchbier, 5, concurso mestre-cervejeiro?

Claudio Brisighello disse...

Nessa hora é importante ser imparcial. Para nós admiradores de cerveja é bastante tentador e fácil criticar as grandes cervejarias em relação às menores como a Eisenbahn.

A Baden Baden continua lançando novidades sazonais como a última, de natal ("traditional ale" que por sinal não me agradou). Suas cervejas regulares permanecem inalteradas, conforme já testado neste próprio blog (http://edurecomenda.blogspot.com/2007/08/baden-baden-x-baden-baden.html). Eu mesmo estive na pequena fábrica da Baden Baden em nov/07 após a aquisição e nada mudou por lá, apenas a produção mensal - que outrora faltava em recursos - agora está maximizada com o advento da Schincariol.

Não estou comemorando a notícia, pelo contrário, lamentando essa realidade de mercado em que vivemos. Não tem jeito, eu duvido que se todos aqui conseguissem o sucesso da Eisenbahn e recebessem uma MEGA-oferta de compra, quem iria recusar?

Vicente Ferrari disse...

Acredito que num futuro muito próximo a Eisenbahn/Schin mudará de donos. Aposto na SAB MIller!

Dana Bier disse...

As grandes estão mostrando que o mercado de cervejas tem dono. Briga pra cachorro grande. Por outro lado mostra que as grandes abriram os olhos para o mercado de cervejas especiais. Para o consumidor será ótimo.

Confraria disse...

estou a meia hora tentando escrever um comentario,mas não há comentarios.Assim como até hoje não engoli a venda da Baden-Baden, agora que fiquei mais confuso.Nem cerveja Pilsen boa a Schin faz.
Só espero que a famila Mendes possa abrir outra cervejaria, senão foi bom enquanto durou.

Anônimo disse...

Depois de Devassa e Baden Baden é mais uma cervejaria artesanal que se prostitui diante da grana dos cafetões da Schin ou Imbev!
ass. Caio Brunodelli/SP

Anônimo disse...

Esperem que a Einsenbahn não tenha a sua qualidade estragada.


Wagner DEGUSTADOR

Alexandre Janini disse...

Espero muito que a qualidade se mantenha.

Pelo que o pessoal da distribuidora de São Paulo me informou sobre a negociação, há uma cláusula no contrato para a manutenção do Juliano no comando da Eisenbahn.

Torçamos para que, assim, a qualidade se mantenha.

Abraços,
Alexandre

Cesar Adames disse...

Sobre o comentário do Anonimo falando de prostituiçao de micro cervejarias nem vou comentar. Se a proposta for muito boa duvido qualquer um pensar duas vezes em não aceitar.
Conheço a familia Mendes desde quando tinham apenas 4 cervejas em linha. Estava almoçando com o Juliano no Box 32 em 2006 quando surgiu a ideia de lançar a Kolsh para harmonizar com ostras. Ajudei a lançar a primeira cerveja para harmonizar com charutos no Brasil a Rauchbier e participei como jurado no concurso Mestre Cervejeiro no ano passado. É uma pena que várias ações como estas que eram rápidas e ageis agora vão ser tomadas por uma diretoria com vários niveis de lentidão.
Infelizmente perdemos a agilidade e velocidade da família Mendes. Espero sinceramente que não se perca o sabor das cervejas.

Anônimo disse...

Gostaria de parabenizar o Edu Passarelli por compartilhar essa informação assim que soube.

O mercado brasileiro de premium está engatinhando...outras boas cervejas virão...e outras morrerão.
Fábio Franco

Edu Passarelli disse...

Caros,

Tenho uma grande ligação com a Eisenbahn. Sou amigo dos Mendes e já estive na cervejaria diversas vezes. Fiz um trabalho de harmonizações com suas cervejas e sempre acompanhei muito de perto o trabalho deles. Sei que foi feito todo o necessário para que esta venda não fosse a solução, mas temos que lembrar, que junto com a paixão pela cerveja, está o negócio. Não posso negar que na quinta, quando ouvi o anúncio ao vivo, fiquei chateado. Bastante chateado. Mas, refletindo depois, também pensei no mérito dos Mendes de criar e transformar uma cervejaria em referência de qualidade, não só no Brasil como no mundo. Deixo aqui o meu "obrigado" a eles, e meus sinceros parabéns por ter feito da Eisenbahn o que ela é hoje!

Ein Prosit

Edu Passarelli disse...

Ah, e assim como todos, torço pela manutenção da qualidade!

Fábio Franco,

Os ÚNICOS blogs que participaram ao vivo da coletiva foram o Edu Passarelli Recomenda, Cervejas Só e Latinhas do Bob. E, assim que ouvimos o anúncio, publicamos imediatamente. Por isso participamos, para informar nossos leitores em primeira mão sobre uma notícia muito importante no mundo das cervejas especiais.

Abraços a todos!

Armando Fontes disse...

Eu faço votos que a compra da Eisenbahn pela Schin seja semelhante a compra do Youtube pelo Google.

O Google comprou um "top of mind" quando adquiriu o Youtube e acho que a Schin está fazendo o mesmo, comprando um "top of mind" quando o assunto no mundo cervejeiro é: cerveja de qualidade, premios, pioneirismo, ousadia...etc

Uma diferença entre as empresas é que o Google é uma empresa querida, e a Schin não.

O youtube continua inovando, o site nao parou no tempo apos a aquisicao.
Minha esperança é que a Eisenbahn continue sempre com sua ousadia e que possa ter sua marca popularizada, nao confundir com produto popular(1), e possa ser encontrada com mais facilidade em restaurantes e mercados. Contribuindo ainda mais para que a cultura da cerveja de qualidade.


(1)Ex.: A Ferrari é uma marca popularizada, mas definitivamente nao é um produto popular, ou todo mundo aqui tem uma na garagem?

Fabio Martelozzo disse...

Concordo com o Armando.

Não creio que a Schincariol fosse "burra" a ponto de gastar alguns milhões de reais (somadas as aquisições da Nobel, Devassa, Baden Baden e Eisenbahn) para depois alterar o produto comprado.

Seria mais fácil já desenvolver uma marca de cerveja 'premium' meia-boca, assim como a AmBev fez com as especiais da Bohemia, que embora melhores que a linha normal, não se comparam com as similares importadas.

Diferentemente da Eisenbahn, que é tão boa quanto as melhores importadas.

Como a Schincariol pretende valorizar seu portfolio, não seria sábio gastar tanto para "estragar" logo em seguida.